28 de nov de 2008

Vegetarianismo

O termo "vegetariano" não provem de "vegetal", mas sim do termo latino "vegetare", que significa "dar vida, animar". Quando os romanos usavam o termo homovegetos, eles se referiam a uma pessoa vigorosa, dinâmica.

O que é Vegetarianismo?
No vegetarianismo, entende-se que o consumo de alimentos de origem animal é uma prática desnecessária, que prejudica a saúde humana, o meio ambiente, os animais e a sociedade.
Ovo-lacto-vegetarianos: não consomem qualquer tipo de carne, e consomem laticínios e ovos.
Lacto-vegetarianos: não consomem carne nem ovos, e consomem leite e derivados
Vegans: não consomem qualquer produto de origem animal (carne,leite, ovos, mel) e também não utilizam produtos que tragam sofrimento animal embutido: couro, lã, seda e cosméticos que contenham ingredientes animais ou que tenham sido testados em animais.


Por que ser vegetariano(a)?
Há vários motivos: saúde, ética, compaixão pelos animais, fome mundial, preservação do meio ambiente.

Saúde
"Quanto mais o homem simplifica a sua alimentação e se afasta do regime carnívoro, mas sábia é a sua mente" (George Bernard Shaw)

Uma dieta vegetariana é saudável porque: é
. Rica em fibras, vitaminas e minerais.
. Pobre em gorduras saturadas, colesterol e contaminantes químicos
(hormônios, antibióticos, pesticidas).
. Moderada em proteínas e calorias.
. Saborosa, trazendo pratos da culinária mediterrânea, indiana, japonesa, etc.

Variada, incluindo hortaliças, legumes, frutas, raízes, cereais integrais (arroz, trigo, centeio, cevadinha), leguminosas (feijão, soja, ervilha,lentilha, grão-de-bico) e oleaginosas (castanhas, nozes e sementes).
. Nutritiva, fornecendo todos os nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo.
. Preventiva, uma dieta vegetariana reduz o risco de doenças crônicas e degenerativas, como cardiopatias, câncer, diabetes. Obesidade, osteoporose, doenças da vesícula biliar, artrite, asma, pedras nos rins e hipertensão. doenças circulatórias (infarto, derrame, pressão alta) entre outras.

Há um grande número de trabalhos científicos que mostram as propriedades preventivas das dietas vegetarianas.

Mantém o colesterol em níveis adequados - Uma dieta livre de alimentos de origem animal é capaz de controlar a pressão nas artérias e ainda manter níveis adequados de colesterol.
Um estudo do Instituto do Coração (InCor/USP) de 2002 comparou, entre outros fatores de risco para doenças do coração, a pressão arterial e os níveis de colesterol de 136 pessoas, entre vegetarianos e comedores de carne.
Os vegetarianos não apresentaram nenhum caso de pressão alta e apenas 22% das pessoas tinham colesterol elevado.
No grupo que consumia carne, 22% das pessoas apresentaram pressão alta e 41% tinham o colesterol acima do limite máximo recomendado.


Orientação
Há ainda muitas publicações e alguns profissionais que podem orientar uma transição saudável para o vegetarianismo. A informação e orientação são muito importantes para planejar bem a dieta!
Ética
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro, todos seriam vegetarianos. Nós nos sentimos melhor com nós mesmos e melhores com os animais, sabendo que não estamos contribuindo para o sofrimento deles".
(Paul e Linda McCartney)


Compaixão pelos animais
Não nos enganemos: todo animal é capaz de sentir e não há nenhuma justificativa moral para desprezar sua vida, negligenciar seu sofrimento, banalizar o ato de sua morte e mutilar seu cadáver para com ele fazer delicatesses carnívoras.

Fazer sofrer e matar seres vivos sensíveis por razões banais é uma daquelas injustiças elementares a que somos inclinados a condenar. No entanto, falta ainda a convicção de que matar animais para alimentação é uma razão banal e que a cadeia animal não é indispensável.
Do ponto de vista ético, matar um animal é um ato incompatível com as aspirações intelectuais e espirituais da nossa espécie. Se matar um animal dentro de um contexto de defesa ainda é aceitável, abate-lo para lhes retirar as proteínas, as gorduras, os conhecimentos
científicos, e os prazeres gustativos não é aceitável, tanto mais que estas questões são banais em comparação com o sofrimento e a perda de vida de um animal, ser sensível e consciente.

Animais usados como produtos – os bastidores
Os animais criados para consumo, são confinados, manipulados especificamente para o aumento de produção, através de genética, medicamentos e técnicas de manejo. Devido às considerações econômicas, eles não recebem analgésicos.
O gado é marcado várias vezes durante sua vida (causando queimaduras de 3º grau), chifres são removidos , castrações pelo corte dos testículos com facas ou forçando sua queda amarrando-os para interromper o fluxo sangüíneo, mais uma vez, por razões econômicas tudo é feito sem anestesia.
Os modernos antibióticos e vacinas são a razão pela qual os animais sobrevivem às condições intensivas até atingirem o peso do mercado ou até que se tornem " gastos", ( termo utilizado para vacas leiteiras ou galinhas poedeiras cuja produção cai ) e serem mandados para o matadouro.
Mesmo quando são criados soltos os animais, muitas vezes passam fome, vivem cheios de parasitas e apanham copiosamente.

Galinhas
As galinhas vivem espremidas em gaiolas do tamanho delas, as luzes ficam acessas até 18 horas por dia – assim elas não dormem e comem mais (isso acontece principalmente com as que produzem ovos), seus bicos são cortados sem anestesia.
O corte dos tecidos delicados com a faca causa dor que persiste por semanas ou até meses. Algumas aves não conseguem comer após o corte dos bicos e morrem de fome. Esse procedimento é feito para que elas não matem umas as outras e para evitar que elas escolham a parte da ração de sua preferência - caso contrário, ciscariam apenas os grãos de seu agrado e deixariam de lado os alimentos que servem para que engordem mais rapidamente.

Porcos
Porcos não têm espaço nem para se deitar confortavelmente. São confinados do nascimento ao abate. As gestantes são forçadas a parir atadas a uma fivela apertada na baia.
Pela sua natureza, os porcos são curiosos e normalmente passariam metade do tempo cavando a terra. A frustração do confinamento faz com que lutem e mordam suas caudas. A resposta da indústria é o corte das caudas e a castração dos porquinhos para torná-los menos agressivos sem o uso de anestesia.
Ser impedido de realizar os instintos mais básicos é motivo de enorme sofrimento. Mesmo os animais criados em gaiolas desde que nasceram sentem necessidade de se mover, esticar as asas ou membros e fazer exercícios.


Rebanhos ou bandos de animais ficam estressados quando são criados isolados ou quando são confinados em grupos muito numerosos, pois têm dificuldade para reconhecerem os outros membros. Além disso, todo o animal confinado sofre de intenso aborrecimento, o que pode provocar um comportamento autodestrutivo.

Transporte
Quando são levados aos matadouros os animais são prensados ao máximo possível nos caminhões para minimizar os custos. Eles vivem nos excrementos uns dos outros e são expostos a condições severas de temperaturas em caminhões abertos, ficam sem água ou alimento por longos períodos de tempo. Em vista disso, muitos morrem a caminho.

Abate - boi
Para se abater um boi de maneira "humanitária", primeiro se dá um disparo na testa com uma pistola de ar comprimido.
O tiro deixa o animal desacordado por alguns minutos- ele então é erguido por uma argola na pata traseira e sua garganta é cortada.
Os animais são sangrados até a morte ainda conscientes. O abate a marretada é proibido, o que não quer dizer que não aconteça, já que 50% dos abates são clandestinos e, portanto, sem fiscalização. Como não é fácil acertar o boi com o primeiro golpe, muitas vezes são necessários dezenas para desacorda-lo.

Abate - galinhas
As galinhas são despejadas como lixo dos caminhões que as traze; são colocadas em ganchos que fazem parte do sistema de abate automático, sofrem uma descarga elétrica que deveria causar a inconsciência , mas essa corrente é reduzida causando somente dor (níveis maiores de corrente endurecem a carne).
Vão para o próximo estágio com plena consciência, passam por máquina que vai degolando o pescoço, são imersas em um banho escaldante, depois vão para a área onde serão depenadas.

Abate - porcos
O abate dos porcos é parecido com o de bovinos, com a diferença que o atordoamento é feito com um choque elétrico na cabeça e que o animal é jogado num tanque de água fervendo após o sangramento, para facilitar a retirada da pele. Alguns são mergulhados na água fervente ainda vivos.

Pânico
Os animais podem sentir o cheiro, ouvir os gritos e freqüentemente ver a matança daqueles que foram abatidos antes deles. Há verdadeiro pânico e eles tentam fugir dando saltos, o que é inútil, pois estão cercados de chapas de aço.
Nos dias de hoje, compra-se carne longe da matança, o que cria uma falsa impressão de que se alimentar de cadáveres é algo normal e inofensivo. Entretanto quando alguém é apresentado à grotesca realidade de um matadouro, fica chocado com a selvageria e impiedade que há por trás dos pratos de carnes. Não podemos ignorar uma realidade de crueldade e sofrimento que acontece todos os dias contra criaturas pacíficas e indefesas. Se a população tivesse que matar para comer, certamente o número de vegetarianos seria muito maior.
Não permita que matem em seu nome!


Comer peixe é uma alternativa?
Quando paramos de comer carne, surgem muitas dúvidas sobre como obter proteínas e manter uma dieta quantitativamente saudável.
Se frangos e aves, devido aos aspectos sanitários e humanitários, também não devem ser consumidos, os peixes e frutos do mar aparecem como alternativas, até mesmo consideradas saudáveis. Mas, infelizmente, não é bem assim.
Embora a gordura da maioria dos peixes de água salgada e de água doce seja insaturada e benéfica para a saúde, os frutos do mar e muitos produtos dos rios e lagos são ricos em colesterol. O hábito de consumir peixes crus, como o sashimi e o sushi, mesmo sendo uma forma de adquirir proteínas de boa qualidade, não isenta o seu apreciador de assimilar colesterol.
Peixes também sentem dor
Em um documentário realizado no EUA, estudiosos declararam que os peixes têm em suas bocas quase a mesma quantidade de terminações nervosas que os humanos têm em seus genitais. Assim, puxar um peixe para fora d'água com um anzol seria como tirar uma pessoa da água segurando suas partes íntimas.

Intoxicações Alimentares
As piores intoxicações alimentares são provocadas por frutos do mar deteriorados, como ostras, mariscos, camarões, etc. Cerca de 20% dos seres humanos apresentam algum tipo de alergia às suas proteínas, principalmente as do camarão.

Contaminação
Há atualmente um grande risco de contaminação humana por agentes poluentes (PCB, DDT) e metais pesados com o consumo de frutos do mar.
Um marisco ou ostra é capaz de filtrar muitos litros de água do mar por dia, o que pode determinar uma grande concentração de metais pesados e substâncias nocivas, capazes de contaminar o consumidor, às vezes mortalmente. Os animais capturados próximos às grandes cidades são os mais perigosos, já que são mais expostos ao problema.

Impactos Ambientais
O Sea Sherphed Conservation Society (Sociedade de Conservação do Leão Marinho) documentou que as redes de arrastão usadas pelas pesqueiras comercias, com muitas milhas de comprimento, capturam e matam muitos outros animais em seu caminho: golfinhos, baleias, pássaros, tartarugas marinhas.
A pesca industrial dizimou o ambiente marinho e provocou o declínio de cerca de 90% dos grandes peixes do mundo ao longo dos últimos 50 anos, afirma um estudo publicado pela revista "Nature" – Maio de 2003.

Ética - Fome mundial
800 milhões de pessoas passam fome no mundo!
O peso coletivo dos bovinos no mundo é superior ao peso coletivo dos humanos. Esse gado criado para corte consome um terço de toda a safra de grãos do Planeta, enquanto um bilhão de pessoas sofrem de fome crônica e desnutrição.
Pode-se facilmente produzir alimentos para saciar a fome dessas pessoas, bastando pra isto que os recursos empregados na produção de ração animal sejam direcionados para a produção de alimentos para o consumo humano.
Um acre de cereal produz cinco vezes mais proteínas do que o acre devotado à criação de gado; um acre de legumes (feijões ou lentilhas) dez vezes mais. Assim, se uma parte de terra ocupada por gado fosse destinada a culturas, a maior parte dos famintos poderia ser alimentada adequadamente.
Aliás, segundo dados bastante atuais do setor agropecuário, um bovino ocupa em média no Brasil, área de 1,5 hectares, espaço adequado ao plantio de vegetais para cesta básica, que alimentaria muitas famílias.
Se todos fossemos vegetarianos é provável que não houvesse tanta fome no mundo. É que os rebanhos consomem boa parte dos recursos da terra (uma vaca, num único gole bebe até dois litros de água, num dia consome até 100 litros) para produzir 1 quilo de carne, gasta-se 43.000 litros de água, enquanto um quilo de tomates custa ao planeta 200 litros de água.
Sem falar que damos grande parte dos vegetais que produzimos aos animais. Um terço dos grãos do mundo viram comida de vaca, boa parte de nossa produção de soja, uma das maiores do mundo é exportada para ser dada ao gado. Outra questão é que a pecuária bovina estimula a monocultura de grãos. Num mundo vegetariano haverias lavouras mais diversificadas e teríamos muito mais recursos para combater a fome.

Ética - Meio Ambiente
"A Terra tem o suficiente para suprir a necessidade de todos, mas não têm o bastante para satisfazer a ganância de algumas pessoas". (Mahatma Gandhi)

. A indústria da carne é um dos agentes mais poluentes, que mais consome água, é também responsável pela destruição das florestas tropicais e outras florestas em todo o mundo.
. Uma fazenda de porcos gera lixo equivalente a uma cidade de 12.000 habitantes. Estima-se que o gado americano por si só produz 127 toneladas de fezes por segundo, o que significa 13 vezes a produção humana. A amônia contida nas fezes polui as águas e afeta severamente a camada de ozônio. Os resíduos animais são 100 vezes mais poluentes do que os resíduos humanos.
. A energia necessária para produzir um só hambúrguer poderia abastecer um veículo para rodar 30 km ou aquecer água para 17 banhos quentes.
. Estudos recentes realizados nos Estados Unidos revelam que o rebanho bovino é responsável por pelo menos 12% do gás metano (uma das substâncias que mais influenciam para o efeito estufa) liberado para o meio ambiente.
. A criação extensiva de gado só se faz com desmatamento. Estima-se que 40% da floresta amazônica foi devastada para a criação de gado. Tira-se a mata nativa, e com ela toda a fauna e a flora correspondentes, transformando a área em pasto para bois.
Do total de 4.14 bilhões de kg de carne de boi consumidos em 1996 nos EUA, 160 milhões de kg foram importados do Brasil, o que contribui para a desertificação da Amazônia, mas não ajudou a alimentar a população brasileira. O benefício econômico obtido com a exportação é enganoso.
Estima-se que cada hectare (10.00m2) de floresta derrubada para a formação de pastos seja capa de produzir US$ 160, enquanto que, com uma exploração sustentável (para a produção de látex e frutas, por exemplo), a mesma área possa produzir US$7.280!
Como podemos concluir, a opção de não comer carne pode ajudar individualmente a cada um de nós e, conjuntamente, ao nosso planeta como um todo.


"Ser vegetariano é discordar: discordar do curso que as coisas tomaram hoje. Fome, crueldade, desperdício, guerras. Precisamos nos posicionar contra essas coisas. O vegetarianismo é minha forma de me posicionar". (Issac Bashevis Singer)

Produção Animal / Degradação Ambiental e Fome no Mundo

Nos países desenvolvidos é impossível ignorar a relação entre a produção animal e o desastroso impacto económico-ambiental. O custo da criação intensiva de gado, aves, porcos, cabras, carneiros e peixes, para alimentar uma população humana excessiva e em contínuo crescimento, inclui a fome nos países do terceiro mundo, o uso indevido da água e dosolo, o alto nível de contaminação produzido por fezes de animais, o aumento nas taxas de doenças cardíacas assim como outras enfermidades degenerativas e a destruição das florestas. A permanência desta situação contribuirá para a desertificação, a extinção de muitas espécies animais e vegetais e as alterações climáticas. Desmesurada e consumidora excessiva de recursos, a produção animal é portanto, incompatível com os recursos naturais e ecossistemas da Terra.

Degradação Ambiental

Consumo e contaminação da água e ar:
A produção de ração e de forragem para o gado requer uma enorme quantidade de água, resultando na escassez de água em certas áreas. Só nos Estados Unidos, mais de metade da água consumida para todos os fins é gasta na produção animal. Consequentemente, lençóis de água como o gigantesco aquífero Ogalalla (Estados Unidos), estão a ser rapidamente esgotados. Em paralelo, um dos fatores mais poluentes da água é aacumulação e descarga de resíduos animais. O nitrogênio proveniente destes resíduos é convertido em amônia e nitrato e infiltra-se nas águas do subsolo e da superfície, poluindo a atmosfera, contaminando poços, rios e riachos e matando a vida aquática. De acordo com a Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos, cerca da metade dos poços e todos os riachos do país estão contaminados por poluentes oriundos da pecuária. Na Holanda, os 14 milhões de animais que ocupam os estábulos do sul produzem tanto esterco que o nitrato e o fosfato saturam camadas da superfície do solo e contaminam a água. A amônia proveniente da indústria de criação de animais é sozinha a maior fonte de deposiçãoácida nos solos holandeses, provocando mais prejuízos que os automóveis e as fábricas, segundo o Instituto Nacional de Saúde Pública e Proteção Ambiental do país.



Desflorestação e desertificação:


Todos os anos, cerca de 200.000 quilômetros quadrados de florestas tropicais são destruídas de forma permanente ocasionando a extinção de aproximadamente 1000 espécies de plantas e animais. A exploração e devastação constante de novos solos (muitas vezes abandonados poucos anos depois) para criação de pastos para gado, leva à utilização excessiva da terra o que resulta na contínua perda da camada fértil dosolo. Pressões da competição levam os donos das unidades de produção animal a optar por métodos de produção de baixo custo que deixam o solo exposto ou a submeter terras fracas à produção intensiva, resultando na sua destruição permanente. Por todo o planeta, a terra, que é a própria base da produção de alimentos, está a ser rapidamente desertificada. Desertificação é o empobrecimento de ecossistemas áridos, semi-áridos e sub-áridos pelo impacto das atividades humanas. As regiões mais afetadas pela desertificação são as áreas produtoras de gado, inclusive o oeste americano, a América Central e do Sul, a Austrália e a África Sub-saariana. A desertificação dos campos e florestas deslocou a maior massa migratória na história do mundo. No virar deste século, mais de metade da população irá viver em áreas urbanas.



Fome no Mundo



A fome no mundo é uma realidade dolorosa, persistente e desnecessária. No momento, existe suficiente terra, energia e água para bem alimentar mais do que o dobro da população humana, contudo metade dos cereais produzidos é destinada aos animais enquanto milhões de seres humanos passam fome. Em 1984, quando centenas de etíopes morriam diariamente de fome, a Etiópia continuava a cultivar e exportar milhões de dólares em alimento para o gado do Reino Unido e outras nações da Europa.



Conclusão:
O que se pretende aqui é chamar atenção para um importante aspecto da vida diária, que são os hábitos alimentares, e mostrar como eles se encontram hoje estreitamente ligados ao quadro da miséria, subnutrição e fome. Estão também ligados a um enorme desperdício, à degradação do meio ambiente e à má saúde da população como um todo.
Muitos estão preocupados com os graves problemas ambientais e sociais com os quais nos defrontamos a nível global, contudo, poucos estão cientes das enormes implicações que o simples acto de comer tem sobre vários destes problemas. Ao investigarmos esta questão, vemos que existem efeitos de amplo alcance na mudança fundamental das naçõesocidentais, que se deu, sobretudo, depois da II Guerra Mundial, de uma dieta composta principalmente de alimentos de origem vegetal para uma dieta à base de alimentos de origem animal.
Analisando estes problemas até à raíz - os hábitos alimentares - conseguimos concluir que ao modificar as nossas dietas, podemos desempenhar um importante papel no sentido de ajudar a curar a Terra e a criar um mundo sustentável para os futuros habitantes.



Referências:
http://www.vegetarianismo.com.br/artigos/producao.htm
http://www.avozanimal.com.br/index1.htm
http://www.vegetarianismo.com.br/artigos/pecuaria-moderna.html
http://www.vegetarianismo.com.br/artigos/agricultura-moderna.ht

27 de nov de 2008

As Gerações Futuras

Inúmeros são os nomes da Grande Mãe: os Cristãos a chamam de Maria, os Incas de Pacha Mama, os orientais de Kuan Yin, os zen-budistas de Avalokiteshvara, os Wiccas de Deusa e se quisermos alargar esta lista podemos mencionar as dezenas de “Nossas Senhoras”, como “Nossa Senhora de Fátima” ou “Nossa Senhora dos Navegantes” em suas muitas aparições.


O que qualquer um desses nomes invoca é a energia da Mãe, a energia criadora, a polaridade Ying, que oferece colo e conforta. Que nos ajuda e nos indica o caminho, que nos prove alimento, que nos cerca com seus braços, que nos acalenta. Essa é a energia da Mãe. Da nossa Mãe biológica e de nossa Mãe terra, Mãe natureza. É dela que extraímos nossa sobrevivência, o alimento e a energia que nos dá poder para enfrentarmos os desafios cotidianos. Essa Mãe que é divina e poderosa, diante das dificuldades é capaz de nos oferecer abrigo e confortar diante das adversidades.


Acompanhe este texto de Stella Bittencourt, na Revista da Frater:



Lindo texto Stella!

26 de nov de 2008

Entrevista com Maya Angelou - Super bonito!*

Em abril, Maya Angelou foi entrevistada por Oprah Winfrey na passagem de seu aniversário, mais de 70.

Oprah perguntou o que ela sente diante da velhice que chega.
Resposta: 'animada'. Comentando as mudanças no corpo, disse que há muitas, a cada dia. Como os peitos, que estão competindo um com o outro para ver qual chega primeiro à cintura. A platéia riu de chorar.

**Uma das grandes vozes do nosso tempo, Maya Angelou é uma mulher simples, direta, cheia de sabedoria... Alguns exemplos:

> Aprendi que aconteça o que acontecer, pode até parecer ruim hoje, mas a vida continua e amanhã melhora.
> Aprendi que dá para descobrir muita coisa a respeito de uma pesso ao bservando-se como ela lida com três coisas: dia de chuva, bagagemperdida e luzes de árvore de Natal emboladas.
> Aprendi que, independentemente da relação que você tenha com seus pais, vai ter saudade deles quando se forem.
> Aprendi que 'ganhar a vida' [making a living] não é o mesmo que 'ter uma vida' [making a life].
> Aprendi que a vida às vezes nos oferece uma segunda oportunidade.
> Aprendi que a gente não deve viver tentando agarrar tudo pela vida afora; tem que saber abrir mão de algumas coisas.
> Aprendi que quando decido alguma coisa com o coração, em geral vem a ser a decisão correta.
> Aprendi que mesmo quando tenho dores, não tenho que ser um saco.
> Aprendi que todo dia a gente deve estender a mão e tocar alguém. As pessoas adoram um abraço apertado, ou mesmo um simples tapinha nas costas.
> Aprendi que ainda tenho muito o que aprender.
> Aprendi que as pessoas esquecem o que você diz, esquecem o que você faz, mas não esquecem como você faz com que se sintam.

Mande este texto para cinco mulheres fantásticas ainda hoje.

25 de nov de 2008

A Arte de Menstruar

Ao longo dos milênios, as mulheres têm desaprendido a arte de menstruar, de fluir com a vida. Nas sociedades tribais, a menarca, o início do fluir do sangue, era celebrada com um rito de passagem, auxiliando a menina a realizar sua entrada para o reino do mana: o poder sagrado transmitido pelo sangue e que tanto podia dar como tirar a vida. Além de apaziguar o poder destruidor, o rito tinha como função auxiliar a menina a entender sua condição física e sua relação com a função procriadora da natureza. Ainda uma criança em espírito e condição social, a partir de suas regras, a jovem deve assumir o comando de sua vida. Sem ritos de passagem, o que temos para oferecer às nossas meninas, que as ajude a transformar e assumir sua nova identidade?
Ao longo do processo civilizatório, a menstruação foi sendo depreciada, relegada, virando tabu. O que era sagrado tornou-se proibido, sujo, contaminado. A regra passou a ser: esconder a regra. O resultado disto foi que o evento central na vida de toda mulher madura tornou-se invisível. Ironicamente, retorna à visibilidade para se tornar um negócio milionário, o dos absorventes ditos 'higiênicos', mas que continua a reforçar a idéia de que o sangue menstrual é 'sujo'. O apelo maior da propaganda de absorventes é tornar a menstruação invisível. Promete que usar tal ou qual marca de absorvente possibilita à mulher levar a vida como se nada estivesse acontecendo em seu corpo. Descaracteriza-a como mulher, negando sua característica mais distintiva. Devemos abolir os absorventes? É claro que não, pois não vivemos na Idade da Pedra. Mas talvez devêssemos nos espelhar no exemplo das índias andinas, que simplesmente se agacham e deixam seu sangue fluir para a terra. Impossibilitadas de agir assim numa terra coberta de asfalto, podemos, contudo, transformar esta prática num ritual. É importante para as mulheres recuperarem o sentido sagrado do fato biológico central em suas vidas. Pois, ainda hoje, a maioria das mulheres 'liberadas' acreditam que suas regras (aquilo que as rege) é uma inconveniência que, se possível, deveria ser eliminada. Se formos capazes de romper com esta crença, talvez possamos desvincular o feminino da idéia de fragilidade e instabilidade. A decantada imprevisibilidade feminina é, em grande parte, decorrente das oscilações a que a mulher está submetida, ao longo de seu ciclo mensal. É a expressão da imprevisibilidade da própria vida. O ciclo hormonal feminino apresenta dois pontos culminantes: a ovulação e a menstruação.


O polo branco da ovulação, chamado muitas vezes de rio da vida, é o polo ovariano, procriativo, momento do ciclo em que, biologicamente, a mulher se coloca plenamente a serviço da espécie. O polo vermelho da menstruação, também chamado de rio da morte, é o polo uterino, quando a mulher se volta para si mesma. Ou pelo menos deveria, pois a arte de menstruar, a habilidade de fluir com a vida, é o momento em que somos chamadas para dentro, a fim de curarmos a nós mesmas. Desprezada e negligenciada, não é de estranhar que a menstruação revide. A TPM (Tensão entre Patriarcado e Menstruação) é a expressão do conflito que nós mulheres vivemos, entre voltarmo-nos para o acontecimento sagrado dentro de nós ou atender à demanda do mundo externo. O período menstrual nos torna mais sensíveis, captando os acontecimentos em torno de nós através de uma lente de aumento e reagimos de acordo. Se aprendermos a respeitar o movimento energético que acontece em nosso interior, poderemos usar esta sensibilidade de um modo mais significativo e reverter a depreciação a que o sangramento foi submetido, recuperando sua sacralidade.
Como mulheres modernas, inseridas num mundo que funciona de acordo com os valores masculinos, nem sempre podemos nos recolher na cabana de menstruação, como faziam nossas antecessoras, onde descansavam e partilhavam suas experiências. Mas podemos reduzir nossas atividades ao mínimo, deixando para outro momento algumas delas. Também podemos nos recolher para dentro de nós, enquanto executamos as atividades diárias que nos competem. Depois de cumpridas as tarefas, podemos nos retirar para um lugar tranqüilo e prestar atenção ao que acontece no nosso útero, observar as sensações e os sentimentos, os sonhos que emergem. O período menstrual é o momento em que podemos aprender mais a nosso respeito e curar nossas feridas. Assim reverenciada, a arte de menstruar pode ser recuperada, possibilitando uma vida mais plena e feliz como mulher.




Fonte: Caldeirão

24 de nov de 2008

Olá lindos sóis, abaixo segue convite para um trabalho de uma amiga muito querida.

Beijos a todas (os).

Ana Andrade

Clique na imagem para ampliar.

Pegada Ecológica? O que é isso?

Você já parou para pensar que a forma como vivemos deixa marcas no meio ambiente? É isso mesmo, nossa caminhada pela Terra deixa "rastros", "pegadas", que podem ser maiores ou menores, dependendo de como caminhamos. De certa forma, essas pegadas dizem muito sobre quem somos!
A partir das pegadas deixadas por animais na mata podemos conseguir muitas informações sobre eles: peso, tamanho, força, hábitos e inúmeros outros dados sobre seu modo de vida.
Com os seres humanos, acontece algo semelhante. Ao andarmos na praia, por exemplo, podemos criar diferentes tipos de rastros, conforme a maneira como caminhamos, o peso que temos, ou a força com que pisamos na areia.
Se não prestamos atenção no caminho, ou aceleramos demais o passo, nossas pegadas se tornam bem mais pesadas e visíveis. Porém, quando andamos num ritmo tranqüilo e estamos mais atentos ao ato de caminhar, nossas pegadas são suaves.
Assim é também a "Pegada Ecológica". Quanto mais se acelera nossa exploração do meio ambiente, maior se torna a marca que deixamos na Terra.
O uso excessivo de recursos naturais, o consumismo exagerado, a degradação ambiental e a grande quantidade de resíduos gerados são rastros deixados por uma humanidade que ainda se vê fora e distante da Natureza.
A Pegada Ecológica não é uma medida exata e sim uma estimativa. Ela nos mostra até que ponto a nossa forma de viver está de acordo com a capacidade do planeta de oferecer, renovar seus recursos naturais e absorver os resíduos que geramos por muitos e muitos anos.
Isto considerando que dividimos o espaço com outros seres vivos e que precisamos cuidar da nossa e das próximas gerações. Afinal de contas, nosso planeta é só um!



21 de nov de 2008

Saber mudar

Certa vez, duas moscas caíram num copo de leite. A primeira era forte e valente e logo nadou até a borda do copo. Mas, como a superfície era muito lisa e suas asas estavam molhadas, não conseguiu escapar. Acreditando que não havia saída, desanimou, parou de se debater e afundou. Sua companheira, apesar de não ser tão forte, era tenaz; por isso continuou a se debater e a lutar. Aos poucos, com tanta agitação, o leite ao seu redor formou um pequeno nódulo de manteiga, onde ela subiu e conseguiu levantar vôo para longe. Tempos depois, a mosca tenaz, por um descuido, caiu novamente em um copo, desta vez cheio de água. Imaginando que já conhecia a solução para aquele problema, começou a se debater na esperança de que, no devido tempo, se salvasse. Outra mosca, passando por ali e vendo a aflição da outra, pousou na beira do copo e gritou:
- Tem um canudo ali, nade até lá e suba.
A mosca tenaz respondeu:
- Pode deixar que eu sei como resolver esse problema. E continuou se debatendo, mais e mais, até que, exausta, afundou na água.
Moral da história: soluções do passado, em contextos diferentes, podem se transformar em problemas.
Quantas vezes, baseados em experiências anteriores, deixamos de observar as mudanças ao nosso redor e ficamos lutando inutilmente até afundar em nossa própria falta de visão? Criamos uma confiança equivocada e perdemos a oportunidade de repensar nossas experiências. Ficamos presos a velhos hábitos que nos levaram ao sucesso e perdemos a oportunidade de evoluir... Os donos do futuro sabem reconhecer essas transformações e fazer as mudanças necessárias para acompanhar a nova situação.

(Roberto Shinyashiki, no livro "Os Donos do Futuro”)

19 de nov de 2008



"A Ancestralidade é nossa via de identidade histórica, sem ela,
não sabemos o que somos e nunca saberemos o que queremos ser"




A Serpente Cósmica

Olá amados(as)
Hoje é meu aniversário, fim de um ciclo, início de outro, renovação... Novos começos (assim dizia a runa)... é isto mesmo! Ontem, folhando o livro da Monika von Koss, Rubra Força, parei na página que falava da Serpente Cósmica e hoje, decidi dividir esta leitura com vocês. Tudo haver com o momento! Meu, nosso. Pois enfrentamos todos um momento de parto, de grandes mudanças, de virada de ano para muitos, encerrando um ciclo e começando outro... Quantos(as) não estarão trocando de pele?!
Aí vai... partes deste livrinho maravilhoso.
Beijos a todos(as),
Ana Paula Nunes Andrade
Como acompanhantes de todas as grandes deusas, encontramos os animais, que se postavam ao lado da Grande Mãe de forma tão proeminente que são tidos como sua epifania: a simples presença do animal evoca a presença da deusa.
Estes animais, longe de serem totens ou divindades individuais de crenças politeísticas, corporificam a própria divindade, definindo sua personalidade e exemplificando seu poder.
Por seu movimento e renovação cíclica, a serpente foi o animal mais freqüentemente associado com o fluir do sangue menstrual. Pelo hábito de recolher-se nas reentrâncias da terra para hibernar, bem como se desfazer anualmente de sua pele, como um recém-nascido se desfaz da placenta, a serpente é considerada símbolo de continuidade da vida e da conexão com o mundo profundo.

Um símbolo universal altamente complexo, encontramos a serpente na origem de muitas mitologias. Como emblema das divindades auto-criadas, representa a fonte de todas as potencialidade, tanto materiais quanto espirituais. E neste sentido também representa a primordial natureza instintiva humana, a força de vida potencial e animadora que surge das profundezas do ser.
Como uma das muitas epifanias da deusa, quer represente o sol ou a lua, a vida ou a morte, a sabedoria ou a paixão cega, o reino espiritual ou o reino físico, nos relatos cosmogônicos este animal primordial e misterioso habita o oceano primordial, do qual tudo emerge, ao qual tudo retorna.
Como uroboros, a serpente que morde seu rabo, simboliza o caráter cíclico de todo ser, o fim que se une ao começo. Neste sentido, ainda faz parte de uma visão integrada da vida humana. Sua associação com vida, fertilidade, rejuvenescimento e regeneração faz dela um símbolo de imortalidade, razão pela qual é sempre encontrada junto à Árvore da Vida, possibilitando o acesso a ela.
Nas diferentes partes da África, a força primordial da criação é concebida como a "serpente cósmica", uma das criaturas mais amplamente encontradas nas diversas mitologias. No começo, o poder serpentino se enrolou em torno da terra disforme, mantendo-a coesa, e ainda tem essa função. Ela se move constantemente, seu fluxo espiral pondo os corpos celestes em movimento. Seu poder criativo está intimamente associado com às águas e o arco-íris.
Na cosmologia andina, as serpentes representam o mundo profundo (ukupacha). Entre os incas do Peru, todas as coisas retornam ao útero da Mãe Terra para serem transformadas. Entre os astecas, a mãe das divindades era Coatlicue, que dá a vida e a toma na morte. Nos mais antigos dias dos povos do México, a mãe Coatlicue escondia-se no nebuloso topo da montanha no país de Aztlan, enquanto seus servos-serpente viviam dentro das cavernas da montanha. Desta casa secreta ela deu nascimento à luz, ao sol e a todas as estrelas no céu.

Representando bem mais do que fertilidade sexual, as serpentes hibernam no inverno e reaparecem na primavera. Por isso, eram consideradas pelos egípcios como a vida da terra. Nos livros dos mortos egípcios, é dito que ela oscila entre amar e odiar os deuses. Por este seu aspecto duplo, era usada para representar poderes sagrados benéficos e hostis. Quando benéfica, estava protetoramente ereta, como na fronte dos faraós. Quando hostil, era a serpente Apófis, que diariamente ameaçava o sol em sua trajetória noturna.

As divindades-cobra eram sempre femininas. De registros do antigo Egito, sabemos que a imagem da cobra era o sinal hieroglífico para a palavra "deusa" e que a cobra era conhecida como "o Olho", uzait, um símbolo de insight místico e sabedoria.



Na tradição aborígine australiana, o poder do sangue menstrual é designado e identificado mitologicamente como uma grande serpente. Esta força semelhante ao arco-íris, de cor vermelho-sangue, é entendida como característicamente maternal.


Na mitologia da terra de Arnhem, no centro-norte da Austrália, "tornar-se um arco-íris" é um encanto menstrual. A serpente representa, simbolicamente, o poder criador universal manifestado pelo sangrar da mulher. Descrita como amante da água, detectora de odores, envolvendo as mulheres e, acima de tudo, amante de sangue, a serpente "não é outra coisa que o poder simbólico da ‘inundação’ ou do ‘fluxo’ das mulheres".


(Texto extraído do livro Rubra Força – Fluxos do poder feminino – de Monika von Koss)

MULHER LUA MINGUANTE




O terceiro aspecto da Deusa, a Anciã, corresponde à fase da Lua Minguante,


sendo o menos compreendido e o mais temido.




A Lua Minguante define-se no acaso e na velhice. É aquela que encerra em si a sabedoria e os segredos nunca revelados. Está associada a velha bruxa, ao deteriorar da força vital, ao envelhecimento, assim como, aos poderes de destruição e da morte, à destruição do impulso de Eros.A mulher que é arquetípicamente regida pela Lua Minguante é misteriosa e por vezes indefinível. Parece possuir um potencial para realização de algo que é difícil definir com exatidão. Possui virtualidades pressentidas, mas nem sempre realizadas. Ela mesma não se define de maneira consciente e clara.Possui também uma certa dificuldade em lidar com os aspectos da vida consciente.Esta é a mulher que vive no "mundo da lua". Está sempre descobrindo novas possibilidades, mas tem certa dificuldade em direcioná-las e nunca consegue finalizar o que começou. Como está mais próxima e mantém constante contato com as fontes inconscientes da fertilidade, aparenta estar realizando algo, mas que pode nunca concretizar. É sempre suscetível a perder-se em sonhos e devaneios em função da dificuldade que tem em lidar com o concreto e o real. O seu maior obstáculo é o tempo presente, pois está sempre voltando ao passado, revendo tudo o que foi capaz de realizar, ou lamentando o que deixou de fazer.


Ela está sempre distante do presente e por isso torna-se fria e distante dos outros, devido ao seu excesso de auto-referência. A sua criatividade, se não submetida ao controle do ego consciente, pode assumir uma forma caótica e desordenada. A sua maior dificuldade está em mobilizar e dirigir essa energia.Possui ela, todo o potencial para a criação por seu acesso fácil às fontes criadoras lunares, mas necessita compreender e separar a mistura orobórica criativa, a fazer a ordenação do caos, para que ele se transforme num cosmo criativo. A mulher Lua Minguante possui uma energia muito forte, mas ela pode manifestar-se de maneira tanto construtiva, como destrutiva, dependendo da forma como trabalha o seu consciente.A necessidade de mudança também está sempre determinando seu comportamento. O que mais importa para ela é o próprio processo do que o objetivo final, o caminho não tem tanta importância, mas premente é a necessidade de fazer a passagem. A introspecção ao mundo interior ocorre facilmente para a mulher regida pela lua minguante. A sua maior dificuldade está no fato de tornar-se produtiva e realizar toda a fertilidade encontrada. Se não conseguir direcionar essa vitalidade, objetivando-a e encaminhando-a para a realização criativa, toda essa riqueza pode se tornar inútil.


A Lua Minguante sempre serviu como vaso adequado para a projeção de todo o lado sombrio, tanto do homem como da mulher. Aqui penetra-se no reino de Hécate e Lilith e tantas outras deusas que apresentam aspecto sombrio, mas que pode no final nos trazer a iluminação.Talvez torne-se necessário para a mulher fazer contato com estas deusas, na intenção de que elas a presenteiem com a possibilidade de um enriquecimento de personalidade, permitindo a sua expressão de uma forma mais humanizada e não tão instintiva.Deste modo, as dimensões do instinto poderão ter uma via mais integrada, em que pode haver a participação de novas forças energéticas.É observando e reconhecendo os movimentos da Lua no céu e integrando as suas três fases, que poderemos nos alinhar e sintonizar com o fluxo do tempo e com os ritmos naturais. Nos utilizando dos poderes mágicos da Lua e reverenciando as Deusas ligadas a ela, criaremos condições para melhorar e transformar nossa realidade, harmonizando-nos e vivendo de forma mais equilibrada, plena e feliz.
Por Rosane Volpato

A MULHER LUA CHEIA

O aspecto de Mãe da Deusa sempre foi o mais acessível para que a humanidade o reconhecesse, invocasse e o identificasse. A Lua Cheia está associada à imagem maternal da Deusa, à mulher em toda a sua plenitude, ao potencial pleno da força vital. Ela corresponde ao crescimento e amadurecimento de todas as coisas, ao ponto culminante de todos os ciclos, à semente germinada e à plenitude do caldeirão.
Na Lua Cheia entramos em outra dimensão do feminino, aqui o instinto se coloca a serviço da criação e da humanização. Esta é a fase lunar que é iluminada pelo Sol em sua totalidade, indicando mais clareza de consciência e um melhor relacionamento entre masculino e feminino, o que propicia a criação.
A Lua Cheia é a Lua Grávida de criatividade, de riqueza e da realização do próprio crescimento. É a imagem da Mãe, com o poder divino de carregar uma nova vida em seu ventre. É ela que gera, promove o crescimento e dá o nascimento. Ela é a deusa da maternidade, que traz consigo a fertilidade para a terra e para os homens.
A Lua Cheia nos conecta com a terra, nos coloca em contato com os valores terrenos, é o próprio amor realizado. Esta Lua-Mãe, foi expressa mitológicamente pelos gregos como Deméter com sua prodigiosa energia para nutrir e acalentar e sua dedicação desinteressada para com os filhos e a família. Esta deusa-mãe também é visualizada em Cibele, Ísis, em Astarte e na Virgem Maria. Todas aparecem sempre com o filho, o que pressupõe uma capacidade de relacionamento e reprodução realizada. O filho representa o nascimento, o Logos no feminino. A Lua, deste modo, relaciona-se com o mundo de maneira mais humana, através de seu filho. Estabelece-se assim, um contato mais íntimo entre o mundo interno e o externo, do divino com o terreno e do espiritual com o material.
A maternidade em si já é uma doação, mas também associa-se à capacidade de sacrifício. Todas as deusas citadas, têm em comum o fato de terem um filho que morre e depois ressuscita. O filho seria a semente que morre, se decompõe na terra, para trazer em seguida a renovação da vida. Mas, enquanto não chega a hora do sacrifício, o filho reina junto com a Mãe-Lua e é controlado por ela.
A mulher regida pela Lua Cheia é mais confiável, pois se assemelha à Mãe. Ela é acolhedora, mais domesticada e sempre se coloca à disposição e proteção do outro. Esta mulher tem os pés no chão e seus mistérios não são tão ocultos, pois ela se revela mais claramente. Ela acolhe a criação, que é a união do masculino com o feminino. Mas esta mulher tem uma preocupação exagerada com a segurança, o que impede o seu aprofundamento em seus relacionamentos, pois o contato mais íntimo, pode constituir-se em uma ameaça. Desenvolve então, um controle fora do comum e nada pode pegá-la desprevenida. Aqui desenvolve-se um impedimento a sua criatividade, pois seus passos são calculados, evitando confrontar-se com o desconhecido, que podem lhe proporcionar surpresas desagradáveis.
A mulher-lua-cheia é a esposa e mãe perfeita, desfaz-se em eficiência e cuidados, mas falta-lhe a paixão e a inquietação.

17 de nov de 2008

A dança da morte



Fernanda Torres para o pai Fernando Torres

A dança da morte
Fernanda Torres

A peça "Seria Cômico Se Não Fosse Sério", de Friedrich Dürrenmatt, foi o melhor espetáculo teatral que meus pais produziram em anos e anos de
parceria. Baseada na Dança da Morte, do dramaturgo sueco August Strindberg, ela se passa no início do século passado e conta a história de um general aposentado, Edgar, e sua esposa, Alice, que vivem às turras, isolados em um farol.

Um dia, o casal recebe a visita de um primo mafioso, que se esconde com eles no alto da torre. Depois de desassossegar a vida dos dois por doze
vertiginosos rounds, o primo cafajeste se manda, devolvendo o par à sua mais derradeira solidão. Jamais vou esquecer meu pai com barbas de Matusalém, vestido de general da I Guerra, dançando furiosamente a Dança dos Boiardos. Era sensacional. Lá pelo fim do espetáculo, Edgar se levantava louco, altivo, e dizia:

- Agora vou dançar a Dança dos Boiardos!

E começava uma coreografia ensandecida, meio russa, meio gaúcha, pulando em torno de uma espada no chão. Querendo exibir vigor ao primo escroque da esposa, Edgar dança até o limite de suas forças e acaba sofrendo um AVC. A peça termina com Edgar numa cadeira, seqüelado pelo derrame, e Alice arrumando a desordem da casa por causa da passagem do primo. Era de uma beleza terrível, cortante, teatro com T maiúsculo. Quem viu sabe.

Como com teatro não se brinca, havia ali o prenúncio de algo que viria a acontecer com meus pais anos depois, só que de maneira muito mais doce,
amorosa e redentora. São as mensagens que recebemos ao longo da vida. Minha mãe cuidaria dele, e ele dela; mais ela dele, por problemas de saúde, no terço final de seus 57 anos de casados. Uma amiga gostava de dizer que meu pai ainda estava vivo porque minha mãe e ele queriam assim..

Em 1986 meu pai sofreu um primeiro derrame, não detectado, durante a representação da tragédia grega Fedra. Ele esqueceu o texto em cena e, como a neurologia ainda engatinhava, levamos anos para entender que não era um problema psíquico, mas físico, o início de sua dança da morte, que levou vinte anos para acontecer. Meu pai é um mistério tão grande para mim que fica difícil falar dele numa crônica. Mas, como estou chegando à conclusão de que todo pai é um mistério para os filhos, ao contrário das mães, que são desabridas, arrisco aqui um modesto perfil.

Dono de um humor cortante, que seria cômico se não fosse sério, doce e sádico, careta e maluco, velho e criança, meu pai foi produtor, diretor e
ator, um homem dedicado a todas as facetas do teatro. Teve coragem de largar a medicina, enfrentando o pai médico e político dos tempos da política do café-com-leite, para fazer parte dessa profissão etérea. Dizem que o estalo se deu no trote da faculdade, quando em plena Cinelândia ele gritou:
'Fiat Lux!'. E as luzes da praça se acenderam numa sincronicidade cósmica. Foi ali, logo de cara, que perdemos um médico e ganhamos um diretor. Devo a ele toda a minha curiosidade científica, devo a ele dizer o que penso,como pude fazê-lo inclusive à ele mesmo, sem achar que lhe faltava o respeito, isso me fez forte, devo a ele o cinema, a infância, Veneza, Machu Picchu, Buenos Aires e as montanhas russas. Que tudo inclusive as brigas devem ser encaradas de frente, sem medos, sem receios, porque viver, é ter coragem de encarar a vida! Devo ao meu pai tudo o que sou que não é ser atriz, e certamente devo ao meu pai a promessa de alguma serenidade diante da velhice e da morte.

Como ele adoeceu há muito tempo, as lembranças do homem de teatro, do pai jovem e doidão, do barbudo enraivecido pela censura de Calabar se misturam fortemente com as do Fernando de saúde frágil com quem convivi nos últimos tempos. É muito difícil para um filho lidar com a doença de seu pai. Por isso, gostaria de agradecer às muitas pessoas que nos ajudaram nesse período, em especial à Roberta, sua fisioterapeuta, aos enfermeiros Jorge e Cristiano e, acima de todos, à doutora Lúcia Braga, do Hospital Sarah Kubitscheck, que deu ao meu pai cinco, seis, dez anos a mais de vida,
libertando-o dos especialistas em doenças, cortando catorze medicamentos e colocando no lugar: o teatro, os barcos, o pingue-pongue e a vida; e à
doutora Claudia Burlá, geriatra, especialização cuja profundidade só fui entender na noite em que meu pai morreu, em casa, conosco em torno dele, e
com ela. Sem tubos, sem CTIs, sem prolongadores artificiais de respiração ou batimentos cardíacos. Foi ela que mandou chamar a mim e ao meu irmão, foi ela quem nos ajudou. A ver que a vida não nos pertence.Por isso o medo de perdê-la!

A morte do meu pai foi uma experiência tão caseira, humana, pacífica e acolhedora, apesar do sofrimento e da dor, que me fez por alguns segundos
achar que esse absurdo que é a morte, afinal de contas, pode fazer parte da vida. Um salva de palmas para ele. Foi um guerreiro discreto, forte e corajoso. Espero conseguir ser assim quando chegar a hora de eu dançar a minha Dança dos Boiardos.

14 de nov de 2008

12 de nov de 2008

Portal 11:11 – A VIRADA DA MARÉ

Uma mensagem de Kuthumi canalizada por Michelle Eloff
2 de novembro de 2008, África do Sul
Fonte: http://spiritlibrary.com/the-lightweaver/1111-turning-of-the-tide


Nesta canalização, Kuthumi nos oferece informações que nos preparam para uma das maiores mudanças de energia ocorridas até agora, e com a oportunidade de nos desligarmos dos nossos medos mais paralisantes. Ele diz: "Todos os Elohim estarão se concentrando neste grandioso momento de mudança; vocês experienciarão o fechamento dos seus próprios portais internos, através dos quais as trevas acessam os seus maiores medos, e descobrirão que o entendimento da natureza do medo ganhará maior relevância. É de vital importância que compreendam verdadeiramente que a ilusão se encontra dentro, além, acima, diante, atrás e em cada lado do medo. Existe uma grande diferença entre o instinto natural de sobrevivência e os medos fabricados."
Eu sou Kuthumi e me manifesto a partir dos raios do Amor e Sabedoria para saudar cada um de vocês neste momento, e para lhes trazer as bênçãos do foco, dos cuidados amorosos, da compreensão e da sabedoria divina.
Saudações, amados.
E é com imensa alegria e prazer nos nossos corações, que nos unimos com cada um de vocês neste dia, enquanto os mantemos firmemente no coração de Cristo e com segurança nas mãos de Deus.
Queridos, esta ativação da data-chave do dia 11 do 11º mês de 2008 é muito importante. Este é o momento da virada da maré. Vocês se encontram num ponto em que tudo à sua volta está no estado de mudança constante; parece que nada é garantido, a não ser a própria mudança. No entanto, a turbulência, o caos e a queda aparentes são vitais para que todos vocês sigam adiante.
A razão pela qual esta data chave é tão importante é que entre os dias 11 e 13 de novembro serão seladas as portas e todos os pontos de acesso que o Senhor das Trevas tem usado para conseguir entrar no mundo. Agora o mundo do qual falo é o mundo da energia fluida, do paradigma fluido. O tempo das trevas está chegando ao final e, neste caso, vocês estão terminando a jornada pela Era das Trevas, que chamamos de era da ignorância. A Era de Peixes era bem isso – uma época em que todo mundo esperava que lhe dissessem o que deveria fazer, como deveria fazer e quando deveria fazê-lo. Agora vocês estão entrando na Era de Aquário. Este é o momento de reivindicar seu poder e adentrar o conhecimento da sua própria identidade e da sua verdade. Com estes portais selados, vocês estarão liberados para entrar numa nova linha de tempo, uma nova experiência do que é a energia de Aquário.
Entre os dias 11 e 13, vocês sentirão como se uma grande parte de si mesmos estivesse desconectada; talvez sintam inclusive algum tipo de transtorno interno. Durante estes três dias, o processo que será ativado por nós para desabilitar os pontos de acesso exigirá quietude; e os três dias de quietude serão o tempo em que vocês viajarão pelo seu próprio interior e lhes serão mostradas algumas das suas próprias forças e a sabedoria que existe dentro de si mesmos. Suas mentes sofrerão uma poderosa liberação do velho paradigma; e a mudança que ocorrerá irá literalmente elevá-los de um lugar e colocá-los em outro. Portanto sugerimos que, nesses três dias, vocês passem o tempo focalizando aquilo que os nutre, aquilo que traz equilíbrio e sustentação à vida de vocês. Focalizem as qualidades internas que permitem que isto se desenrole. Também perceberão que sistemas de crenças ignorantes e não sustentadores virão à tona. No entanto, eles não permanecerão por muito tempo, devido à presença do apoio que vocês estarão experienciando. Nos dias 11 e 12, a minha própria energia – a do Mestre Kuthumi – estará no meio de vocês. Todos os Elohim estarão se concentrando neste grandioso momento de mudança; vocês experienciarão o fechamento dos seus próprios portais internos, através dos quais as trevas acessam os seus maiores medos, e descobrirão que o entendimento da natureza do medo ganhará maior relevância. É de vital importância que compreendam verdadeiramente que a ilusão se encontra dentro, além, acima, diante, atrás e em cada lado do medo. Existe uma grande diferença entre o instinto natural de sobrevivência e os medos fabricados.
Nós lhes demos uma quantidade enorme de informações nas últimas semanas, com respeito a trabalhar esses aspectos de si mesmos. Não as ponham de lado como algo sem importância. Mesmo que sintam que estão num momento muito forte em suas vidas, com muito poucos medos, isto não quer dizer que não se beneficiarão com o que já lhes transmitimos anteriormente. Este portal que estará se abrindo a partir do dia 13 de novembro está trazendo todas as energias de luz. Os Deuses e Deusas, Senhores e Senhoras da Luz entram no reino do Universo Fluido e penetram o sistema de doze pontos de chacras no coração aberto de cada alma disposta. E com isto eu quero dizer cada alma que está disposta e pronta para encarar totalmente a si mesma, para reivindicar completamente o seu poder e estar confiante a respeito da sua missão de seguir adiante.
A partir de 13 de novembro, as energias mudarão completamente. Uma característica totalmente nova será lentamente integrada no DNA do corpo de cada um de vocês. Este processo de integração ocorrerá entre 13 e 21 de novembro. Durante esse período, vocês se perceberão largando tudo o que não mais consideram como parte importante de suas vidas, dos seus processos, dos seus pensamentos, das suas crenças. Isto não é algo a ser temido, pois se desenrolará com graça e facilidade. Este é um dos momentos mais mágicos do seu ano e será vital na próxima fase da sua preparação para o dia 21/12/2008.
Alguns de vocês já estão conscientes do fato de que alguns de nós, Mestres Ascensionados, estamos nos movendo para uma vibração muito mais elevada como resultado do nosso próprio progresso, e nos foi dada permissão para trazer conosco aqueles de vocês que estão prontos – não para o mesmo reino, mas vocês estão sendo levados para um reino mais elevado do que aquele em que estavam antes. Entretanto, isto exige de cada um uma enorme responsabilidade, autoconsciência, auto-amor e auto-aceitação, pois agora vocês estão sendo preparados para emergir como os verdadeiros faróis de luz da Era de Ouro.
De 21 de dezembro de 2008 a 11 de outubro de 2011, seu caminho de vida, sua missão de vida e seu propósito – se quiserem chamá-lo assim – adquirirá um sentido totalmente novo, desabrochará como uma flor saudando os primeiros raios de sol, e então vocês entenderão porque temos sido tão enfáticos quanto ao domínio do eu através da aceitação de si mesmo, do amor por si mesmo e da aceitação da total responsabilidade por si próprio, pois é aí que tudo o que vocês aprenderam deve ser aplicado. Neste novo reino, não existe espaço para comportamentos humanos de baixa freqüência, vocês estão emergindo como seres humanos mais iluminados, e estão criando os novos padrões. É seu destino fazer isto, e é por este motivo que estão fazendo isto hoje.
A transmissão de hoje é um pouco diferente da que costumamos fazer, e o que queremos é que vocês façam certos exercícios, que constituem o quadro completo daquilo que estamos criando. A primeira coisa que cada um deve fazer é tomar todo o tempo que necessitar para escrever absolutamente todas as mágoas que já teve e tem na sua vida. Escreva uma lista de todos os medos e sistemas de crença negativos que você tem em relação a si mesmo, à sua saúde, aos seus relacionamentos, ao dinheiro, à família, às suas capacidades e criatividade (no mínimo quatro de cada um desses itens). Tendo feito isto, coloque essas páginas de lado e imagine que você é Deus ou Deusa, lá no meio do Cosmos, nos reinos da luz e do amor divinos e puros, olhando lá de cima para você aqui em baixo. Tome alguns minutos para inspirar esta essência em seu corpo e não comece o exercício seguinte enquanto não sentir a imensidão deste poder e desta luz dentro de si mesmo. Quando sentir isto, quero que você escreva todas as pérolas de sabedoria que puder ver a partir da mente de Deus e da mente da Deusa que você adquiriu como resultado das suas experiências de vida. Quero que escreva todas as esperanças, todos os sonhos e todas as alegrias que experienciou na sua vida e depois quero que escreva uma carta de Deus/Deusa para si mesmo. Se achar que sua mente está tentando distraí-lo, pare, tome uma inspiração profunda, relaxe e afirme: "Eu Sou Deus, Eu Sou Deusa" e repita isto como um mantra o quanto for preciso, até que aquele sentimento forte esteja de volta, e então continue a escrever. Só pare quando sentir que tudo já foi dito. Não analise o processo, não pare para pensar sobre o que está escrevendo. Deixe fluir. Se surgir algum julgamento enquanto estiver escrevendo, pare, inspire profundamente, faça seus mantras outra vez, e depois continue.
Este exercício desafia o eu do velho paradigma a respeitosamente descer do pódio de onde ele governa a sua vida e abdicar do controle, passando-o para o aspecto superior do ser humano que você está se tornando. Este é um dos exercícios mais importantes que você vai fazer para si mesmo neste momento. O propósito por trás deste exercício é sustentar o fechamento daqueles pontos de acesso que as trevas têm usado para acessar os seus medos. Você só pode liberá-los quando enxergar o que você viveu em relação aos seus medos, suas crenças e atitudes a respeito de si mesmo. Suas mágoas se transformam naquilo que o motiva e que motiva o seu comportamento, que muitas vezes se manifesta como concessão, auto-sabotagem e autoferimento, dizendo sim quando queria dizer não e vice-versa. Todos os seus medos… quando você conseguir enxergar o que esses medos são e se lembrar do que eu lhe disse no começo – que tudo que está dentro do medo, acima dele, abaixo, diante, atrás e de cada lado dele é ilusão – você vai começar a compreender que o ser humano superior e sábio tem dentro da sua essência a capacidade e as ferramentas para transmutar tudo isso. Esta é uma das suas maiores iniciações e "testes", por assim dizer, como alquimista. O alquimista precisa transformar sua própria vida antes de poder praticar verdadeiramente a alquimia com os outros.
O processo alquímico é a abertura do coração de cristal, aquele lugar dentro de você que contém a essência pura de Deus e da Deusa, duas expressões divinas do mesmo eu. A carta que Deus e a Deusa estão lhe dando contém a verdade. Seu desafio em relação a isto é aceitar a verdade a respeito de si mesmo. A maioria das pessoas tem dificuldade em fazer isto, porque elas, assim como você, construíram suas identidades com base nas crenças e medos falsos do seu passado, independente de poder prová-los ou não. Tenho uma pergunta para você: você ainda está querendo viver sua vida motivado pelas projeções amedrontadoras e julgadoras do mundo externo, ou está pronto para ser o seu eu autêntico?
O ego vai desafiar o que Deus e a Deusa disseram para você, mas isto não é problema seu, o seu foco está em integrar esta luz, e este exercício faz parte da sua jornada para fora da idade das trevas, da idade da ignorância, e para dentro do novo reino da luz líquida. É esta luz que agora forma uma espécie de parede atrás de você, como uma estrutura de sustentação. E é nesta luz líquida que você pode se apoiar e confiar que ela vai carregá-lo e levá-lo adiante. A energia dela é infinita e sempre presente.
Este exercício em especial vai ajudá-lo a entender e a adquirir clareza; entender o que o motivou através da sua vida, e ter a clareza interior de que estas motivações não têm sido quem você realmente é. Este exercício não só o prepara para a segunda onda de ascensão, como também aumenta a fundação do seu novo mundo, que nós temos chamado de Promessa de Vida Nova.
Mestra Nada vai ajudá-lo nisto, pois ela é o ser que ilumina, junto comigo, estas energias da Promessa de Vida Nova. Ser-lhe-á mostrado, de inúmeras formas, a importância de utilizar as pérolas de sabedoria que você adquiriu, a importância de entrar em contato com sua fonte de alegria e gratidão, e a capacidade de acreditar nas suas esperanças, nos seus sonhos e nos seus desejos, sem se prender a resultados ou impor limitações esperando que alguma coisa específica aconteça. Coloque seus sonhos no líquido deste amor líquido e confie que o ponto em que você se encontra o levará ao lugar onde precisa estar, de um modo muito lindo, milagroso, e algumas vezes até mágico, e sempre gracioso.
Suas experiências estão mudando para além das suas fantasias mais incríveis. Você está penetrando um hímen de uma outra espécie. Este novo mundo é que vai lhe mostrar que todos os ensinamentos que você vem seguindo sempre o estiveram preparando para este momento. Você também vai perceber que as qualidades inibidoras do ser humano ignorante era e é incapaz de compreender o que se encontra além deste hímen. Usamos a palavra "hímen" especificamente porque é um território virgem no qual você está entrando, e só você pode penetrar este hímen, porque é um mundo que foi criado por você, com você e para você. Há bilhões de outras pessoas que estão trabalhando com um modelo semelhante, mas existe um único ponto de entrada para cada um de vocês, e os antigos pontos de acesso devem ser muito bem selados, para que você possa penetrar esse "mundo virgem".
Você vai ver como esta jornada foi importante para você. Também vai começar a perceber como os seus desafios foram importantes. E sugiro que, após ler e reler e reler a carta de Deus/Deusa, você se sente em gratidão por todos os desafios, por todas as lágrimas que derramou, por todos os momentos em que chorou, em que foi ferido e vivenciou a dor e o sofrimento, pois foi tudo isto que o trouxe ao ponto em que você está, e é esta energia combinada de maturidade emocional, mental e espiritual que lhe concede o acesso aos mundos da luz líquida, do amor líquido e da consciência fluida. Você está entrando numa parte do Reino de Deus em que nunca entrou antes. Mestre Jesus disse que a casa do seu pai tem muitas moradas. Você está a ponto de embarcar numa jornada que garante que você nunca mais será o mesmo.
Portanto, meu querido, comece este exercício o mais cedo possível. Eu, Kuthumi, já ativei a grade de energia ao seu redor, que irá sustentá-lo neste momento. Também criamos um coração de cristal tridimensional ao seu redor. Dentro deste coração de cristal está a sua verdadeira essência. Seus guias pessoais, seu guardião, seu anjo curador e seu mestre-professor estarão contidos neste coração de cristal com você, durante este tempo. Use-o para criar o projeto do que você quer plantar, nutrir, ver crescer e colher nesta nova linha de tempo. Se possível, comece este processo imediatamente após a minha transmissão e comemore um novo amanhecer no novo mundo de luz líquida.
Meu querido, você ganhou a entrada para este lugar no Reino de Deus. Esta é a última fase do ciclo. Não faz muito tempo que eu disse que isto é como correr os cem metros finais. Dê tudo o que pode e não duvide, nem por um instante, que você merece nada menos do que absolutamente o melhor. Coloque seu coração, sua alma, seu espírito e sua essência neste exercício e eu lhe prometo que você não vai se arrepender.
Esteja consciente de que a consciência coletiva estará sob um estresse e tensão adicionais durante estes três dias de transição. O medo poderá aumentar na consciência coletiva porque a situação econômica no seu mundo vai ficar mais tensa e é esta tensão que alimenta o medo da coletividade. Mas agora você deve saber que a energia das trevas vai se agarrar com toda a sua força e se certificar de que, ao afundar, vai levar tudo o que puder consigo. E tenho certeza que você não é uma dessas coisas que planejam afundar com ela, é? (Não!) Muito bem!
Agora a luz, esta luz líquida, é muito importante porque também se apresentará em algum tipo de manifestação física. A luz líquida contém o amor líquido, portanto o líquido vai desempenhar uma parte importante no processo. Então ofereça uma quantidade suficiente de líquidos ao seu corpo, no mínimo dois litros por dia, excluindo qualquer tipo de bebida como café ou outra que contenha cafeína, pois ela desidrata o seu corpo. A água ou qualquer outro tipo de líquido – com exceção dos que contém cafeína – vai sustentar este processo durante todo o tempo, até 21 de março de 2009. A luz líquida e o amor líquido vão lavar todas as áreas que contêm os pontos de acesso onde existe o maior trânsito de escuridão. Ao mesmo tempo, está sendo oferecida ao Senhor das Trevas uma oportunidade para se integrar com o seu próprio ser de luz, e você verá muitas curas incríveis acontecendo. Verá também que as dicotomias da vida são incrivelmente humorísticas, e quando vir isto – quero dizer, quando realmente perceber que na verdade a vida é apenas um jogo, então, ser precioso, você estará verdadeiramente livre!
Nunca se esqueça que você é um mestre na forma humana, que está se lembrando da sua verdade, e que absolutamente nada vai impedi-lo de alcançar a total consciência de mestre na forma humana; nada a não ser você mesmo!
E é assim que os deixo – todos vocês, meus queridos – com estas palavras, e lhes recomendo insistentemente que façam este exercício tantas vezes quanto seja a sua vontade de não fazê-lo. Se encontrarem cento e uma desculpas para não fazê-lo, então se forcem a fazê-lo, pois quanto menos desejarem fazê-lo, mais precisam fazê-lo. Este exercício é o meu presente de libertação para vocês.
Saibam que estamos sempre presentes, sempre guiando, sempre apoiando e sempre protegendo vocês. E que tudo esteja sempre bem no seu mundo, na sua jornada, ancorando a paz no coração, na mente, no corpo, no espírito e na alma de todos vocês.
Eu Sou Kuthumi, Chohan do Raio Dourado do Amor e Sabedoria, e os saúdo e abençôo em amor. Adonai.


Tradução: Vera Corrêa veracorrea46@ig.com.br
Esta informação pode ser compartilhada com outras fontes, sob as condições estritas de que nenhuma informação seja alterada ou suprimida ou usada para ganho monetário, e que a fonte da informação seja reconhecida. Para saber mais sobre Michele & The Lightweaver, por favor viste o site http://www.thelightweaver.org/

EU SEI MAS NÃO DEVIA...

Por Marina Colassanti

"Eu sei que a gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos
e a não ter outravista que não as janelas ao redor.
E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora.
E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo ascortinas.
E porque não abre as cortinas logo se acostuma a acender cedo a luz.
E a medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão
A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora.
A tomar o café correndo porque está atrasado.
A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem.
A comer sanduíche porque não dá para almoçar.
A sair do trabalho porque já é noite.
A cochilar no ônibus porque está cansado.
A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje nãoposso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta.
A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.
A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita.
E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar.
E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagará mais.
E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro,
para ter com que pagar nas filas em que se cobra.
A gente se acostuma à poluição.
As salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro.
À luz artificial de ligeiro tremor.
Ao choque que os olhos levam na luz natural.
Às bactérias de água potável.
A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer.
Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui,
um ressentimento ali, uma revolta acolá.
Se a praia está contaminada a gente molha só os pés e sua no resto do corpo.
Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco opescoço.
Se o trabalho está duro a gente se consola pensando no fim de semana.
E se com a pessoa que a gente ama, a noite ou no fim de semana,
não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito
porque tem sempre sono atrasado.
A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele.
Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida.
Que aos poucos se gasta, e que gasta de tanto se acostumar, e se perde de si mesma."

7 de nov de 2008

A MULHER LUA CRESCENTE

A primeira face da Deusa é a Donzela, ou Virgem e que corresponde a Lua Crescente. Representa a juventude, a vitalidade, a antecipação da vida, o início da criação, o potencial de crescimento e a semente do "vir a ser".
A Lua Crescente, portanto, liga-se a "virgem", a mulher solteira e sugere inúmeras promessas ocultas de crescimento, de riqueza, de criatividade e de prazer.
Esta Lua nos faz voar à um mundo de sonhos e devaneios.
Nos tornamos seres alados que levitam num céu estrelado de possibilidades, onde o impossível torna-se realidade.
É o verdadeiro despertar de Eros, do amor, da vida que não nos impõe nenhum obstáculo.
Neste mundo onde tudo é possível a mulher personifica-se como a eterna amante, a musa inspiradora que concretiza a eterna felicidade.A mulher na Lua Crescente consegue expor sua feminilidade com muita espontaneidade.
Ela é a personificação da deusa em sua manifestação instintiva e natural, buscando sua essência. Ela é rica em fertilidade e possibilidades, sem limites. Precisa de todo o espaço para expandir-se e manifestar-se. É erva que se alastra e cobre tudo, pois ela é livre, animal sem dono, que não admite ficar presa à ninguém.
Dona de si mesma, ela se rege, se governa por seus princípios internos, muitas vezes à custa de muito sofrimento, pois toda liberdade tem seu preço.Este princípio feminino é representado por várias deusas e uma delas é Àrtemis, a arqueira-virgem e amazona infalível, que corria livre pelos campos e de coração solitário.
Ela é arquétipo da feminilidade mais pura e primitiva.
Ela santifica a solidão e a vida natural.
E, é ela que garante a nossa resistência a domesticação.
Outra deusa da Lua Crescente é Inana, uma antiga entidade suméria que é portadora de qualidades lunares femininas.
Em época de mudanças, esta deusa sempre está presente e pode ser invocada.
As mulheres que incorporam os atributos da Lua Crescente, são muito sensuais, verdadeiras Afrodites contemporâneas e conhecedoras da influência de seus poderes.
Sentem orgulho de seu sexo e possuem uma vitalidade rara, somada a uma ansiedade de ampliar os horizontes de seu psiquismo.
Jamais se adaptam à limites sociais e culturais, pois seu desejo de expansão é incontrolável. Estão sempre mudando, são mulheres inquietas e instáveis.
Como a Lua Crescente, revolucionam, criam e transformam constantemente.
São difíceis de serem civilizadas, pois como Àrtemis, possuem um amor intenso pela liberdade, pela independência e autonomia.
Possuem temperamento estouvado e aprendem muito cedo a engolir suas lágrimas e planejar vinganças pelas humilhações que sofrem, devolvendo na medida certa o que receberam.
Para um homem relacionar-se com uma mulher-lua-crescente, pode ser um desafio e tanto. Igualmente, a mulher que penetrar fundo nesse lado de sua natureza artemisia, precisará reconhecer o poder primitivo de sua sanguinolência e o efeito que pode ter sobre o homem.
A Lua Crescente nos põe em contato com todos esses aspectos da natureza feminina.
Beijinhos prateados,
Ana Olhos Pequenos

Onda Encantada do DRAGÃO VERMELHO

Dragão Vermelho

Poder do nascimento

(05 a 17/11/08)


Obs: Esta Onda Encantada dá início a um novo ciclo de 260 dias. É a primeira das 20 Ondas, dentro do Tzolkin = Calendário Sagrado dos Maias.



A tribo do Dragão Vermelho inicia o giro pelo poder do nascimento;


Palavras chaves do Dragão Vermelho: Nutrir – Ser – Nascimento.



Propósitos deste período: Unificar-se para nutrir o ser, potencializar a energia vital, purificar-se e estar vigilante.Este é um período muito importante para dar início a projetos, a mudanças internas, a cuidados consigo mesmo. Durante essa onda, você poderá passar por iniciações para aperfeiçoar mais o seu ser. Por isso, fique atento a cada processo. Você também estará mais determinado a realizar coisas. É hora de por em andamento aquela idéia que você teve, mas não soube como começar. Este é o momento para dar o início. Procure fazer um balanço para ver com o que você está se nutrindo, desde os pensamentos e sentimentos até o alimento físico. Potencialize o seu instinto de sobrevivência abastecendo-se de energia vital. Questione-se quanto a sua própria maneira de abastecer-se de energia. Uma boa sugestão é fazer exercícios respiratórios, no início da manhã, voltado para o Sol. Domine seu lado instintivo para não “explodir” com as pessoas, se estressar ou receber uma carga emocional que lhe faça perder energia. Purifique qualquer emoção ou sentimento negativo para não manter seu ambiente pesado e provocar perdas. É preciso estar sempre atento a tudo, compreendendo e perdoando. Não se culpe por ter tido determinado sentimento ou exteriorizado determinada emoção. Tudo faz parte do aperfeiçoamento e purificação do seu ser. Estamos num grande processo de limpeza e, as iniciações, estão cada vez mais fortes. Aproveite as oportunidades para o seu aprendizado, e não se esqueça, a todo o momento esteja vigilante. Então, confie mais em si mesmo e inicie o grande processo de cuidar de todo o seu ser, em detalhes.



Desafios (o que devo aprender?): Estabilizar a forma de se comunicar, equilibrar o lado espiritual com o material e amar-se. Não duvide da sua conexão com o sagrado, porque tudo no mundo é sagrado. Procure manter uma comunicação mais pura, sem interferências emocionais, negativas. Aprenda a se comunicar consigo mesmo, a falar com o seu ser, buscar respostas, estabilizar o tom de sua voz para com o outro. Isso é muito importante, pois, às vezes, não é o que se diz, mas como se diz que faz a diferença. Então, fique atento à sua forma de se comunicar. Equilibre seu lado espiritual com o lado material para não ficar com algum lado desconectado. Às vezes, quando se ativa o lado espiritual, muito fortemente, pode-se vir a desconectar, um pouco ou bastante, o lado material, e isso acarreta uma tendência ao fanatismo, levando ao enfraquecimento do corpo e da mente. É preciso manter o equilíbrio em tudo e igualar as partes, afastando-se do domínio do ego. Procure amar-se um pouco mais. O que é uma ruga ou um cabelo branco, ter um bem material ou não, ter uma posição ou não, as pessoas se preocupam muito mais com a palavra ter do que com o ser, mas é preciso SER para Ter. O ser externo tem o seu processo no mundo físico da mesma forma que o seu ser interno também tem seu processo no mundo espiritual. O importante é o que você realmente é, e você é divino e sagrado, assim como cada ser que você encontrar, Então, procure desapegar-se de idéias condicionadas a seu respeito. Muitos seres só conseguem ver o ser exterior e passam a vida inteira presos à ilusão e perdem a grande oportunidade de se ver como realmente são e ver ao outro como realmente é. Assim, seja leal a você mesmo e descubra a essência de tudo, manifestando-se em amor.



Qual é a ação? Ative seus sonhos, concentre-se em conhecer e liberte-se da ilusão. Só você tem o dom de tornar seus sonhos realidade. Então, ative-os, pois o momento certo é agora. Siga a sua intuição e afaste o medo de mudanças. Para alcançar seus objetivos é preciso ser destemido, audacioso e confiante. Só assim você conseguirá vencer qualquer barreira imposta por seu próprio ego e abrir as portas para a entrada da abundância de tudo o que for necessário para a realização do que se pretende. Concentrando-se em conhecer os caminhos pelos quais você deve seguir, mantendo-se firme e decidido, curando as “feridas” do suposto passado, que bloqueiam seu avanço no caminho das realizações, é que você poderá ampliar seu campo de ação. Procure fazer tudo de forma pacífica se harmonizando com o conhecimento interno e buscando conhecimento externo que possa facilitar a concretização de seus objetivos, porém é preciso, acima de tudo, conhecer a si mesmo e entender que todo o impedimento, para uma grande realização, está no ego, que mantém a idéia de separação. Então, procure não se iludir, mantenha-se no real, lembrando que a rigidez também atrapalha bastante; reconhecer que você às vezes é rígido mas, não fazer nada para mudar, não vai ajudar muito. Assim, quando você perceber que está sendo muito rígido, intransigente, respire fundo e diga “estou aberto às mudanças” e desperte de sua atitude imutável. Relaxe e liberte seu bom humor. Que mal há em alguém ver você sorrindo, brincando, desconectado dos padrões impostos pela sociedade, que diz que só se impõe no mundo quem é “durão”. Essa é uma atitude medieval e já não cabe mais no Novo Tempo. Então, sorria, sonhe e faça acontecer.



Qual a melhor forma de agir? Defina a forma de focalizar, harmonizando-se com a beleza e universalizando a sabedoria. Concentre-se no que realmente você tem por objetivo, percebendo todos os pontos, para fazer florescer na forma perfeita. Inicie, doe energia e depois veja o seu amadurecimento. É assim que as coisas acontecem. É necessário focalizar as suas intenções e despertar as possibilidades. Então, defina de que forma você pretende começar e procure se harmonizar sempre com a beleza de tudo, usando a arte para criar, captando a elegância desde a forma de falar e agir, excluindo desarmonias e dissonâncias para que tudo se mova de forma harmoniosa. Nesse processo de limpeza planetária é preciso se manter em harmonia, pois as “provocações” estão acontecendo cada vez com mais freqüência, como forma de teste, são ”provocações” de pessoas e de situações, para testar nossa sabedoria para enfrentar de cabeça erguida e sem perder a harmonia, lembrando-se de que basta apenas focalizar o centro para se manter harmônico. Use a sua sabedoria, adquirida ao longo de tantas vidas, para fazer uma auto-análise, observar-se mais e influenciar na realização dos acontecimentos. Tudo é uma questão de possibilidade, então compartilhe essa sabedoria e receberá ajuda de outros seres para iniciar seu grande objetivo, quer seja ele uma auto-transformação, uma auto-perfeição, uma auto-realização, mas saiba que você é parte de cada ser e sem outros seres a perfeição não se realiza, porque cada um trás sua própria sabedoria que influencia na parte e no todo.



Vôo Mágico (qual é a saída?): Explorar os espaços, buscar e se manter vigilante. É preciso persistir na busca do conhecimento, mas, também é preciso se manter atento, pois se você correr em várias direções ao mesmo tempo é certo que se perderá no caminho. Buscar sim, mas com cautela. Que sua busca tenha sempre a ver com o que você acredita e amplie seus horizontes, porém que lhe mantenha em equilíbrio e harmonia. Procure não se isolar, amplie seus pontos de referências e não tenha medo do desconhecido.



Para Refletir:
“A vida é feita de ciclos dentro de outros ciclos. E o mais importante é começar”.
In Lake’ch (eu sou o outro você)

5 de nov de 2008

O desafio ético

Por Frei Betto

Ao viajar pelo Oriente, mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos em paz em seus mantos cor de açafrão. Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia um outro café, todos comiam vorazmente. Aquilo me fez refletir: 'Qual dos dois modelos produz felicidade?'
Encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei: 'Não foi à aula?' Ela respondeu: 'Não, tenho aula à tarde'. Comemorei: 'Que bom, então de manhã você pode brincar, dormir até mais tarde'. 'Não', retrucou ela, 'tenho tanta coisa de manhã...' 'Que tanta coisa?', perguntei. 'Aulas de inglês, de balé, de pintura, piscina', e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando: 'Que pena, a Daniela não disse: 'Tenho aula de meditação!'
Estamos construindo super-homens e supermulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados. Por isso as empresas consideram agora que, mais importante que o QI, é a IE, a Inteligência Emocional. Não adianta ser um superexecutivo se não se consegue se relacionar com as pessoas. Ora, como seria importante os currículos escolares incluírem aulas de meditação!
Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias! Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito. Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos: 'Como estava o defunto?'. 'Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!' Mas como fica a questão da subjetividade? Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?
Outrora, falava-se em realidade: análise da realidade, inserir-se na realidade, conhecer a realidade. Hoje, a palavra é virtualidade. Tudo é virtual. Pode-se fazer sexo virtual pela internet: não se pega aids, não há envolvimento emocional, controla-se no mouse. Trancado em seu quarto, em Brasília, um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizi­nho de prédio ou de quadra! Tudo é virtual, entramos na virtualidade de todos os valores, não há compromisso com o real! É muito grave esse processo de abstração da linguagem, de sentimentos: somos místicos virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. Enquanto isso, a realidade vai por outro lado, pois somos também eticamente virtuais...
A cultura começa onde a natureza termina. Cultura é o refinamento do espírito. Televisão, no Brasil - com raras e honrosas exceções -, é um problema: a cada semana que passa, temos a sensação de que ficamos um pouco menos cultos.
A palavra hoje é 'entretenimento' ; domingo, então, é o dia nacional da imbecilização coletiva. Imbecil o apresentador, imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela. Como a publicidade não consegue vender felicidade, passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres: 'Se tomar este refrigerante, vestir este tênis,­ usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!' O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede desenvolve de tal maneira o desejo, que acaba­ precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose.
Os psicanalistas tentam descobrir o que fazer com o desejo dos seus pacientes. Colocá-los onde? Eu, que não sou da área, posso me dar o direito de apresentar uma su­gestão. Acho que só há uma saída: virar o desejo para dentro. Porque, para fora, ele não tem aonde ir! O grande desafio é virar o desejo para dentro, gostar de si mesmo, começar a ver o quanto é bom ser livre de todo esse condicionamento globalizante, neoliberal, consumista. Assim, pode-se viver melhor. Aliás, para uma boa saúde mental três requisitos são indispensáveis: amizades, auto-estima, ausência de estresse.
Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Se alguém vai à Europa e visita uma pequena cidade onde há uma catedral, deve procurar saber a história daquela cidade - a catedral é o sinal de que ela tem história. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, no Brasil, constrói-se um shopping center. É curioso: a maioria dos shopping centers tem linhas arquitetônicas de catedrais estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingos. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas...
Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista. Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas. Quem pode comprar à vista, sente-se no reino dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno... Felizmente, terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa, com o mesmo suco e o mesmo hambúrguer do McDonald's...
Costumo advertir os balconistas que me cercam à porta das lojas: 'Estou apenas fazendo um passeio socrático.' Diante de seus olhares espantados, explico: 'Sócrates, filósofo grego, também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas. Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia: 'Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz.'

Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Luis Fernando Veríssimo e outros,
de 'O desafio ético' (Garamond), entre outros livros.
Se algum artigo neste blog estiver como "autoria desconhecida" e você souber informar, agradecemos e faremos a devida correção. Solicitamos também que, ao ser extraída qualquer informação desta página, seja adicionada à devida autoria ou endereço:
http://clafilhasdalua.blogspot.com/