7 de jun de 2014

Me perdoa

Me perdoa, se com minhas feridas eu machuquei as tuas.
Me perdoa se com meus limites eu relembrei os limites dos teus pais.
Me perdoa si com minhas reações te levei a dureza e a se aprisionar novamente.
Me perdoa por te amar como humanamente me amaram como humanamente se ama.
Eu te perdoo por me levar até minhas feridas.
Eu te perdoo por me levar aos meus limites que muitas vezes são os limites dos meus pais.
Eu te perdoo por me levar até a dureza e ao aprisionamento.
Eu agradeço tua presença em minha vida, me ajuda a descobrir quem sou efetivamente.
Eu te amo porque te amo, como aprendi a amar, como humanamente me sai, como humanamente posso, como vou aprendendo.
E sei que por te amar, uma e outra vez, deixarei que me leves as minhas feridas, as minhas prisões, as minhas fúrias, ao meu desespero, a minha solidão, a minha dor, e que por me amar me deixarás te levar até as tuas.

E sei que por nos amarmos nos levaremos também a esse lugar onde o amor se torna entrega, fusão, silencio, unidade. E nesse ciclo perfeito de dor, amor, alegria e criatividade que nos ensina a vida, aprenderemos a manifestar o Amor que és, o Amor que sou e o Amor que somos quando estamos juntos. 

Carina Tacconi


Nenhum comentário:

Se algum artigo neste blog estiver como "autoria desconhecida" e você souber informar, agradecemos e faremos a devida correção. Solicitamos também que, ao ser extraída qualquer informação desta página, seja adicionada à devida autoria ou endereço:
http://clafilhasdalua.blogspot.com/