26 de ago de 2008

Pelas avós nas cozinhas, de cujas mãos, corações e mentes vêm muitos tipos de alimento – doces, agridoces, fortes, suaves, picantes – alimentos que perduram na alma muito depois do primeiro registro do sabor na mente... por todas as desbravadoras, que desafiaram a morte, as corajosas Omahs e Bubbes, assim como todas as bravas Nonnas e Zias, que são exemplos vivos do que significa ter ao mesmo tempo um corpo físico e uma alma... por todas as Tradicionais, e pelas Donnas saggias, tranqüilas como rios e igualmente propiciadoras de vida a quem chega por acaso ou em fuga às suas margens. Por todas as velhas que acalmam e ajudam a curar não importa quem seja que elas toquem, por pior que seja a condição em que encontrem a pessoa... por todas as que, pelo menos uma vez, tenham viajado para muito longe para alcançar os gravemente feridos que outros não vêem, ou que se recusam a tocar... pelas que ousam dar abrigo a anjos que chegam sem se fazer anunciar... e pelas que se compadecem de animais abandonados... pelas velhas que aparecem sujas com salpicos de tinta ou adornadas com idéias radicais; ou que simplesmente surgem por um bom motivo quando mais ninguém ousa...

Por elas...
que sempre sejam corajosas;
que suas almas sejam protegidas por muitas outras,
pois ao nosso mundo carente elas trazem
recursos conquistados a duras penas.
Ana Eçaí

Nenhum comentário:

Se algum artigo neste blog estiver como "autoria desconhecida" e você souber informar, agradecemos e faremos a devida correção. Solicitamos também que, ao ser extraída qualquer informação desta página, seja adicionada à devida autoria ou endereço:
http://clafilhasdalua.blogspot.com/